Interseccionalidade no Brasil, revisitando as que vieram antes

Emanuelle Goes para Blogueiras Negras Feministas negras brasileiras aplicam a interseccionalidade mesmo antes do seu conceito ter ganhado vida pelas mãos de Kimberlé Crenshaw, denunciando a ausência das mulheres negras nas agendas políticas do movimento de mulheres e do movimento negro e além de evidenciar que as mulheres negras estão sempre em situação de desvantagem... Continuar Lendo →

O legado culinário de Leah Chase

por Jessica B. Harris para The Atlantic, traduzido por Gerson Brandão* A chef e proprietária do restaurante Dooky Chase, em Nova Orleans que mudou a paisagem da culinária afro-americana nos Estados Unidos. Tornou-se lugar-comum classificar às vezes qualquer um como "ícone" ou "ativista". Leah Chase, a lendária chef do famoso restaurante Dooky Chase's de Nova... Continuar Lendo →

Ela existe e está entre nós, violência obstétrica

Emanuelle Goes para Portal CatarinasMarion Sims em seu laboratório cirúrgico, onde fez Anarcha de Robert Thom de cobaia em mais de 30 cirurgias experimentais/ReproduçãoPeregrinação na hora do parto, demora na liberação do leito, a não realização de procedimentos mínimos no pré-natal, manobras e o excesso de procedimentos invasivos, como o “ponto do marido”, tudo isso... Continuar Lendo →

Corpo Negro: Onde a ética se esvai

 Emanuelle Góes para Revista Afirmativa“Garota, os negros não conseguem órgãos, eles dão órgãos”, disse um senhor afro-estadunidense que trabalhava no setor de nefrologia. “Eu nunca teria um procedimento feito aqui, eu já vi muito. Para eles, se você é negra e pobre, você não passa de uma cobaia” continuou.Esta passagem acima é do livro Medical... Continuar Lendo →

Corpo feminino, primeiro território violado: estupro como ferramenta de tortura e genocídio

Emanuelle Goes para Cientistas FeministasImagem da InternetComeço este texto trazendo fragmentos do artigo da Veronique Nahoum-Grappe (2011), intitulado Estupros: uma arma de guerra, “os estupros sistemáticos em tempos de guerra visam destruir até populações martirizadas. É no ventre das mulheres que se encarna a loucura genocida dos homens. Violências extremas, gestações não desejadas, transmissões do... Continuar Lendo →

Escreva um blog: WordPress.com.

Acima ↑

Crie um novo site no WordPress.com
Comece agora